Resenha: O Senhor da Guerra - 1965

Sobre o Filme:

     "O Senhor da Guerra" é um filme feito por Walter Seltzer baseado no romance "The Lovers" de Leslie Stevens. O filme se passa no tempo da Alta Idade Média no século XII. Chrysagon é um nobre guerreiro, que recebe do Duque de Normandia uma parte de suas terras, onde era constantemente atacada por bárbaros (tornando-se assim um senhor feudal). Os camponeses de uma pequena aldeia em seu território eram cristianizados, mas ainda sim mantinham-se fiéis a cultos celtas. Chrysagon, depois de se tornar senhor feudal, se apaixona por uma pobre camponesa chamada Bronwyn, e assim luta para "arrancá-la" de seu noivo na noite de núpcias, causando assim uma forte aliança entre aldeões e frísios que se juntam para atacar o castelo do senhor feudal, por alvoroço de Marc, noivo de Bronwyn, que contou aos Frísios que o príncipe de seu povo estava preso no castelo de Chrysagon, começando assim uma grande guerra.


Resenha

     No século XI, um duque chamado Guilhermino de Ghent guardava uma área costeira da Normandia. Então decidiu, para proteger seus pântanos de rebeldes enviou guerreiros e seu melhor cavaleiro: Chrysagon de la Cruex. Este tinha então a obrigação de proteger a costa de Normandia dos constantes ataques de Frisões, que saqueavam e roubavam suas terras, tornando-se assim um senhor feudal.
     Chrysagon, ao chegar em suas terras com seus soldados recebe a informação de que frisões estariam atacando naquele momento a costa de Normandia, e que além de roubar, estariam levando também as mulheres. Mas Chrysagon consegue chegar bem a tempo com suas tropas e os derrota. Assustados e com muitas mortes, os Frisões se vão, mas deixam para trás o filho de seu Líder.
     Depois desta batalha, Chrysagon conhece seu pequeno reino e no dia seguinte sai para caçar com seus homens. É então nesta caçada que Chrysagon conhece Bronwyn, ma jovem mulher que havia sido atacada por seus cães, que a atacou em meio a javalis. E assim Chrysagon se apaixona pela jovem, mas ao saber que ela estava de casamento marcado com Marc, guerreiro filho do ansião Odins, fica muito nervoso, e passa a "perseguir" Bronwyn a cada vez que a vê.
     Certo dia, o pai de Marc, noivo de Bronwyn vai até o castelo com os dois para pedir a Chrysagon a benção e permissão para realizar o casamento do filho e de sua filha adotiva. Chrysagon então permite o casamento, já que os dois foram prometidos um ao outro desde que eram crianças.
     Então no dia do casamento de Marc e Bronwyn, em sua tribo de origem (em um culto celta), Odins celebrava o casamento dos dois, mas foram interrompidos quando Chrysagon chega com seus companheiros para reclamar seu "direito" do jus primae noctis, e, mesmo revoltados, Odins e Marc são obrigados a aceitar, pois segundo o pai de Marc, ele tinha o direito a noite de núpcias com Bronwyn. E assim então é feito.
     Na manhã seguinte, Chrysagon conta sua história a Bronwyn e diz à ela que estava apaixonado. Bronwyn afirma também estar apaixonada por Chrysagon. Assim, ele põe na mão de Bronwyn um anel que havia sido de seu pai. Odins, pai adotivo da jovem até o castelo à buscar, mas recebe a noticia de que Chrysagon estaria apaixonado por Bronwyn e que lutaria até o final por ela.
     Ao saber disso, Marc fica enfurecido, mas tem uma grande ideia discutindo com alguns homens de sua vila. Assim, armam uma grande emboscada para acabar com Chrysagon.
     Então Marc parte em direção ao reino dos Frisões para dizer-lhes que o príncipe de seu povo (dos frisões) havia sido preso por Chrysagon em seu castelo.
     Alguns dias depois, Bronwyn e Chrysagon discutem até em fugir para bem longe de tudo e de todos para serem felizes. Mas, neste mesmo dia Normandia começa a ser atacada por Frisões que tem como principal objetivo atacar o castelo de Chrysagon e levar o príncipe de volta para sua terra. 
     E assim começa uma grande guerra entre frisões e normandios. E os normandios continuavam a serem atacados pelos frisões, que haviam chegado em maior número e mais preparados para a batalha. Draco, irmão de Chrysagon parte, então, para buscar ajuda no reino do duque  Guilhermino de Ghent. Mas a ajuda de nada adianta pois Chrysagon e sua tropa conseguem dar uma reviravolta na batalha e acabam com os frisões antes. Ao voltar, Draco conta à Chrysagon que, ao visitar o duque para pedir ajuda, Guilhermino havia passado as terras de Chrysagon à Draco. Os dois irmãos então têm um desentendimento e acabam lutando.
     Draco acaba tentando matar o irmão, mas Chrysagon consegue tirar a espada da mão de Draco e acidentalmente o fere. Draco então se desequilibra e cai de uma altura muito grande e acaba morrendo. 
     Chrysagon resolve entregar o príncipe aos frisões, que já desprevinidos, lhe agradecem e oferecem tudo: status, riquezas, terras... Mas Chrysagon recusa tudo. Só pede que deem a Bronwyn uma casa no norte e a manda para lá. Depois disso, Chrysagon percebe todo o mal que já havia causado e, mesmo ferido, vai ao lado de Bors, grande amigo seu, tentar consertar todo o mal que havia causado.


Comentário Crítico:

     Eu achei o filme bastante interessante. O enredo é bem legal, e o filme mostra muito bem como era a vida das pessoas na idade média. Mostra como as pessoas sobreviviam, como eram seus casamentos e como eram os direitos dos camponeses e dos senhores feudais. É muito interessante também as armas que os homens medievais usavam em suas guerras e suas vestimentas. Gostei do filme e, sinceramente, recomendaria à outras pessoas que o assistissem.


http://www.movieposter.com/poster/MPW-7570/War_Lord.html )


Postado por: Maria Carolina
8° ano A

2 comentários:

Librarian disse...

Onde posso ver o filme

Lorena Antunes disse...

O filme é realmente bem legal e mostra coisas bastante interessantes daquela época. Assim como: o castelo, as armas, vestimentas, entre outros..
Adorei o filme, mas não gostei muito do fim porque não mostra se ele fica vivo ou se ele morre.

Postar um comentário

Obrigado pela visita!

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design Base por Free WordPress Themes | Editado Por Maria Carolina | Colégio Salesiano de Belo Horizonte